Actions

Work Header

Almost caught in the act

Work Text:

Almost caught in the act

Autora:  Juliana Alves

Categoria:  Shandy, Romance, Funny

Advertências:  Descrição ao sexo

Classificação:  NC-17

Capítulos:  Oneshot

Completa:  [x] Yes [ ] No

Resumo:  Sharon nunca pensou que um dia concordaria em algo tão imprudente, mas se deixou levar pela conversa de Andy e Provenza, não era preciso um gênio para saber que isso terminaria em confusão.

Disclaimer:  Major Crimes e The Closer não me pertence e sim ao sem noção do Duff.

Dedicatória:  Esse presentinho especial vai para Débora. Amiga, te desejo tudo de mais maravilhoso e que esse presente tenha alegrado seu dia. Foi Rated M completamente em sua homenagem. Feliz Aniversário.


Sharon estava repensando todas as suas decisões de vida até agora, por que dever ter alguma coisa errada com ela, pois não era possível que ela se deixou convencer por Andy e Provenza. Fazia três meses que Brenda havia convidado Sharon para ingressar na equipe, pois segunda a vice delegada ela precisava de mais uma mulher ali e a Capitã era muito boa para ficar num departamento como a FID. A primeira resposta de Sharon foi não, mas então ela avaliou suas opções e terminou aceitando, no início não foi fácil, todos estavam desconfiados dela. Mas no final eles a acolheram e isso foi o suficiente. Contudo, aqui estava ela se arriscando como uma adolescente na sala dos professores.

Então vamos a um resumo rápido do que aconteceu para levar a Capitã a uma situação tão imprudente. Dois dias atrás, a Major Crimes e a Robbery and Homicide receberam um caso, ambos necessário na cena do crime ou assim Pope informou. E após horas de discursões, foi decidido que o triplo assassinato era um crime prioritário, ou seja, era de Brenda. A partir daí tudo foi bem, eles investigaram, assistiram as autopsias e seguiram as pistas. Mas descobriram que o Tenente do outro departamento estava com algumas provas apenas por despeito e que provavelmente prejudicaria o caso deles. Claro que isso enfureceu Brenda, mas ela não conseguiu convencer Pope de que eles fizeram isso e teve que encontrar outros meios de pegar os bandidos.

Contudo, Provenza e Andy estavam planejando invadir o escritório da Robbery and Homicide e pegar os arquivos. Sharon ouviu a conversa sem querer e se arrependia por ter se envolvido na discussão, agora ela estava indo com Andy fazer o trabalho sujo.

"Pare de se preocupar". Sussurrou o Tenente ao seu lado.

"Mas eu não disse nada".

"Você está pensando muito alto". Ele resmungou enquanto eles entravam na sala principal do outro departamento. Sharon se limitou a revirar os olhos. "Olhe aqui". O Tenente sorriu ao ver o arquivo. "Está na mesa de Patterson, aquele idiota".

"Ok... vamos logo com isso". Ela disse e se virou para ter certeza que ninguém iria aparecer.

Tudo correu como eles planejaram, Andy conseguiu pegar os papeis e estava voltando para se juntar a Sharon quando ela ficou rígida e o encarou com os olhos arregalados.

"Droga". Ela sussurrou e olhou ao redor tentando ver para onde poderia correr. "Patterson está vindo".

"O que? Mas o idiota tinha ido embora e-"

"Cale a boca e vamos embora". Ela sibilou para ele.

"A única saída é de onde viemos".

Sharon xingou novamente, mas se resignou ao seu destino, eles seriam pegos e o outro Tenente criaria uma confusão e toda a delegacia ia saber que a ex-chefe da FID era tão fora da lei quanto os outros. Sim, ela estava tendo um momento drama queen, a julguemContudo, antes de sentir a derrota a envolvendo, Andy pegou em sua mão e a puxou para a outra direção. Então em poucos segundos eles estavam presos em um quartinho. Isso mesmo, a droga de um armário minúsculo que mal cabia uma pessoa, que dirá duas?

"Meu Deus... estou me sentindo uma adolescente". Ela sussurrou.

"Bons tempos, não era?" Sharon tentou não reagir, mas seu corpo se arrepiou inteiro quando a voz profunda de Andy foi sussurrada em seu ouvido.

Sharon não confiou em sua voz, então permaneceu calada, contudo, agora ela estava muito consciente do homem bem atrás dela. Ambos ficaram em silêncio esperando que Patterson não demorasse muito, porém, seus planos foram por água abaixo:

"Oh meu Deus..." Sharon sussurrou e Andy ficou preocupado imediatamente, pois ele não conseguiu ver o que estava acontecendo, as pequenas frestas mal chegavam em sua altura.

"O que foi?"

"Não acredito que Debora e Patterson tem um caso".

"Quem?"

"Debora, da contabilidade". Sharon parecia surpresa. "Eu não esperava isso dela".

"O que eles estão fazendo?" Perguntou o Tenente curioso. Ele tentou ver, mas era impossível com Sharon bem em sua frente.

Suspirando ele passou um braço pela cintura dela e a puxou para si, ignorando o pequeno grito surpreso dela, Andy conseguiu olhar além das frestas e viu Patterson aos beijos com a mulher da contabilidade.

"Você a conhece?" Quis saber Andy e virou o rosto na direção de Sharon. Ambos prenderam a respiração quando se viram cara a cara, os narizes se tocando e os olhos brilhando.

"Eu converso com ela às vezes". Sussurrou Sharon, mas ela não estava mais se importando em quem estava do outro lado da porta.

"Sério? É bom ter amigos em todos os departamentos". Ele sussurrou e se aproximou ainda mais dela.

O beijo foi inevitável. Andy colou seus lábios no dela e a ouviu ofegar e de algum jeito, o Tenente conseguiu a virar em seus braços e a empurrou na parede atrás deles. O espaço ficou ainda menor quando a excitação os deixou mais quente.

"Andy". Ela gemeu e o Tenente cobriu sua boca com a mão.

"Shiii... vão nos escutar".

Ainda ofegante ela tentou olhar por cima do ombro dele, mas não precisou enxergar o que acontecia do outro lado da porta, pois sua amiga Debora estava ficando vocal. Andy a encarou quando ouviu também e a Capitã viu os olhos dele ficaram mais escuros.

"É uma coisa boa você não ser mais da FID, não é?" Ele falou divertido. "Assim ninguém precisa ir para palestras de assédio ou comportamentos impróprios".

"Cale a boca, Andy". Ela revirou os olhos, mas estava tão divertida quanto ele.

"Como você quiser". Ele disse e a beijou novamente e dessa vez ele foi um pouco mais rude, os lábios colidindo de forma quase dolorosa, mas ele foi gentil ao fazer sua língua entrar na boca dela e arrancar seu fôlego.

Sharon sentiu os joelhos fraquejarem e Andy percebendo isso usou seu próprio corpo para ampara-la, isso a fez choramingar o que o deixou ainda mais apertado em suas calças.

"Ei, Shar, que tal uma aposta?" Ele falou ofegante, suas mãos estavam firmes em sua cintura.

"E o que é isso?" Ela questionou com os olhos fechados tentando se convencer que isso era errado, mas seu corpo estava concentrado nos arrepios que a percorria e a boca quente de Andy em seu pescoço.

"Eu posso te dar o que você quer, Shar. Mas você tem que ficar quieta".

"Eu posso fazer isso".

"Tem certeza?" Ele perguntou enquanto beijava o vale entre seus seios. Sharon não fazia ideia de como ele conseguiu abrir a blusa dela. "Na noite passada você encheu meu quarto de sons deliciosos".

"Você fala demais, Andy". Ela afirmou e tentou puxar a camisa dele para fora da calça. "Eu quero você".

"E você terá". Ele disse e mordicou o lóbulo de sua orelha. "Mas você tem que ficar em silêncio".

"E o que eu ganho com isso?" Ela disse e finalmente correu as mãos pela pele nua de seu peito, conseguindo enfim desabotoar a camisa.

"Se você ficar quietinha agora, vou fazer você gritar mais tarde".

"Eu topo". Ela disse e o beijou.

Nenhum dos dois se importou com o casal que estava do outro lado da porta, ambos muito concentrados em dar prazer um no outro. Andy conseguiu enrolar a saia de Sharon até o quadril e com movimentos praticados conseguiu deslizar a mão para onde ele desejava mais, e ambos gemeram. Ok... Sharon o mordeu para abafar o próprio gemido.

As coisas avançaram depois disso, com beijos molhados e mãos quase furiosas, Andy conseguiu arrancar a calcinha de Sharon e ela empurrou suas calças até as coxas. E com alguns movimentos, Andy entrou nela com uma estocada forte. Sharon fechou os olhos e mordeu a mão para não perder a aposta, mas todo seu corpo se enrijeceu de prazer. O Tenente, no entanto, não conseguiu se conter e gemeu alto o suficiente para o casal na sala de Robbery and Homicide ficarem calados.

Sharon congelou assim como Andy, ambos não ousaram respirar. Eles serem pegos presos no armário era uma coisa, mas serem pegos no ato da paixão era completamente diferente.

"Você ouviu?" A voz de Debora questionou.

"Não". Patterson falou ofegante. "Só vamos acabar com isso".

Andy respirou fundo para tentar se acalmar, a adrenalina agora vibrava por seu corpo e a possibilidade de ser flagrado enterrado em Sharon era quase demais, ele sabia que não duraria muito. Ele então colou os lábios no de Sharon e começou a estoca-la, a sensação de tê-la ao seu redor era opressor e ele terminou por mordê-la em sua ânsia de a possuir. Sharon choramingou, ela estava com todos os sentidos aflorados, o cheiro dele a envolvendo e a deixando tonta, sem contar que ele a enchia quase ao limite.

Não demorou muito para eles caírem no abismo, Sharon tinha as pernas em volta da cintura de Andy (não pergunte como ela chegou lá) e quando o orgasmo a percorreu seus dentes se cravaram no pescoço dele. O Tenente não teve escapatória depois disso com um gemido alto, sua semente a encheu.

Ofegantes e na neblina pós-orgasmo, nenhum dos dois se importou de serem pegos em flagrantes, apenas aproveitaram o momento de paz.

Foi então que perceberam o silêncio.

"Você acha que eles foram embora?" Sharon perguntou ainda com a respiração trêmula.

"Espero que sim, por que tudo o que quero agora é levar você para casa". Andy disse com a voz rouca e a beijou suavemente. "Você ganhou a aposta e quero ouvir você gritar meu nome, querida".

Dito isso, eles se apressaram em arrumar as roupas e saíram do quartinho de limpeza com rapidez, por sorte Patterson e Debora estavam longes de serem visto. Passando na sala de assassinato, Andy jogou o arquivo na mesa de Provenza e mal esperou Sharon pegar a bolsa antes de arrastá-la para casa.

Naquela noite antes de adormecer, Sharon pensou como formularia uma mentira para contar a Brenda o motivo dela estar sem voz. Mas a Capitã não se importava, valeu a pena ter quase sido pega em flagrante.

Fim